.
img_2110
“Casa Grande” foi construída há 60 anos. Foi chamada assim porque na época era a maior casa que existia na redondeza.

A Casa Grande Vinos y Bodegas foi outro local que visitei quando estive no Uruguai. Uma “bodega garaje”, ou seja, uma pequena vinícola que produz vinhos em quantidade reduzida que expressam um estilo próprio do seu produtor. Como grande parte das vinícolas uruguaias, está também situada no departamento de Canelones, bem pertinho de Montevidéu, pouco mais de meia hora de carro. A casa que deu origem ao nome da vinícola foi construída há mais de 60 anos e  foi chamada “Casa Grande” por ser, na época, a maior da redondeza.

img_2109

Quem me recebeu foi a Florencia De Maio, uma jovem estudante de Enologia, da terceira geração da família, e neta de Gaitán e Chica, primeiros moradores do local e responsáveis pela construção da “Casa Grande”. Muito alegre e simpática me conduziu direto aos vinhedos. Pelo caminho pude observar detalhes preciosos: equipamentos de vitivinicultura que hoje fazem parte da história da vinícola, e que até pouco tempo eram utilizados para fazer vinho de mesa. O lugar é tão encantador que nem o inverno conseguiu ofuscar sua beleza.

img_2065

img_2135

img_2087

Sempre guiadas por Zippolo, o cachorro da família, fizemos um tour pelos vinhedos. Por ali, tive ciência de que no local eram cultivadas as seguintes cepas:  Viognier, Albariño, Sauvignon Blanc, Tannat, Merlot, Cabernet Sauvignon e Arinarnoa. Alguns provenientes de clones franceses; outras de, sul-africanos.

img_2063-1
Zippo, o cachorro da família, fez questão de nos guiar durante nosso passeio pelos vinhedos
img_2067
Viognier, Albariño y Sauvignon Blanc e das tintas Tannat, Merlot, Cabernet Sauvignon e Arinarnoa.

Foi lá na pequena Casa Grande Vinos Y Bodegas que tive a oportunidade de conhecer de perto o sistema de condução do vinhedo em lira que, apesar de ter sido desenvolvido em Bordeaux, na França, tem tido excelentes resultados no Uruguai, proporcionando boa qualidade à uva e ao vinho. Muito interessante e muito bonito também!!!

Sistema de condução em lira - Muito comum no Uruguai
Sistema de condução em lira – Muito comum no Uruguai

Era uma quinta-feira de agosto pela manhã e, enquanto fazíamos o tour, o agricultor, proprietário da vinícola e pai de Florencia, Washington De Maio, arava a terra.  Na visão da futura enóloga, ali estava represantado o pilar mais importante da empresa quando o assunto é microterroir: o homem na terra. “Neste caso, o homem que dá tudo por suas vinhas”, concluiu.

img_2081

Em um breve momento de pausa, ele fez questão de nos cumprimentar, conversar um pouco, e fazer uma foto para o Blog. Tinha certeza de que com Florencia estavámos em ótima companhia.

img_2082

Em seguida seguimos para a “garagem”, onde os vinhos são vinificados. (Aproveito para esclarecer uma questão. Na Casa Grande Arte e Vina, os vinhos são elaborados literalmente em uma garagem, mas para ser considerado um vinícola de garagem não é necessário que isso aconteça, vale, antes de tudo, o conceito que expliquei lá em cima, ok?)

img_2089

Um pequeno galpão que abriga tanques de fermentação compactos, pulpitres para os espumantes, mesa para as etiquetas e uma sala para as poucas barricas de carvalho. Enfim, tudo em pequena quantidade e artesanal mesmo!!!

img_2093

Depois fomos para a degustação, que acontece na “Casa Grande” e que é também a residência da família De Maio (leia-se Washington, sua esposa Francesca e Florencia), onde há uma sala construída especificamente para as degustações e para jantares especiais de até 15 pessoas. Além dos vinhos, deliciosos antepastos preparados carinhosamente por Francesca também nos aguardava: almôndegas, berinjelas, pães, tortillas e uma bela tábua de frios.

img_2129

Iniciamos a degustação com o Albarino 2015. Como esse Albarino é um corte de 50% de vinho em barrica, ele tende a ser levemente untuoso, portanto, não é um albarino clássico, por assim dizer. No entanto, é um vinho bem interessante. É um misto de frescor, frutas brancas de caroço e manteiga. Ideal para acompanhar comidas à base de molhos brancos, por exemplo.

img_2117

Seguimos para a linha Casa Grande Arte e Vinas: Sauvignon Blanc, Rosé, Merlot, Cabernet Franc e Tannat. Todos os vinhos dessa linha são extremante frescos e frutados. Pelo que percebi, a ideia é expressar o terroir e as características de cada cepa. O Sauvignon Blanc e o Merlot dessa linha foram os que mais se destacaram, em minha opinião. O primeiro pela acidez marcante, refrescância, notas cítricas e herbáceas em boca e nariz e pela boa persistência para um vinho de entrada. O Merlot por ser um vinho equilibrado, fácil de beber, harmonizar e de agradar, inclusive, pelas notas de morangos e cerejas e boa acidez.  Além disso, os rótulos são lindos e levam a arte para a mesa, não é mesmo? Os desenhos são do artista plástico uruguaio Gaston Izaguirre que personificou cada um dos vinhos baseando-se na procedência dos clones das cepas que os compõem.

FullSizeRender (4)
Casa Grande Arte e Vinas: Vinhos frescos e refrescantes e desenhos dos rótulos para a mesa ficar ainda mais bonita feitos pelo artista plástico uruguaio Raguirre

Em seguida, experimentamos o Tannacito. O vinho ícone da vinícola. A produção é de apenas 300 garrafas!!! É um vinho que estagia 16 meses em carvalho francês. Apresenta um misto de frutas negras e vermelhas maduras com um misto de chocolate e especiarias, ao mesmo tempo, tem algo de fresco. Os taninos são presentes, mas não agridem. A persistência é boa.

img_2132
Tannacito: vinho ícone da Casa Grande. Produção limitadíssima: apenas 300 garrafas.

Ao final, junto com o Cristian Safie, proprietário da Senderos del Tannat, agência especializada em enoturismo de Montevidéu, brindamos mais uma enoamizade!

img_2133

Infelizmente, os vinhos da Casa Grande Vinos y Bodegas ainda não são importados para o Brasil. Quem sabe em breve? Vamos torcer, pois “Vale la pena!”, como dizem os uruguaios!

Senderos del Tannat

336-x-280-s

Aproveito para falar um pouco do trabalho da Senderos del Tannat. A empresa é a única de Montevidéu especializada em enoturismo. O apoio dessa agência foi fundamental nessa viagem, pois eles entraram em contato com as vinícolas, agendaram os horários e me levaram até os locais. Esse apoio foi fundamental para que eu pudesse conhecer vários lugares em pouquíssimo tempo. Eles possuem serviços de vans e também de carros exclusivos e oferecem ainda uma série de roteiros enogastronômicos. Vale uma visita ao site da empresa antes de ir a Montevidéu.

Mais fotos da Casa Grande (Fotos: Guilherme Penchel)

Fotos da Casa Grande Vinos Y Bodegas

Mais informações sobre Enoturismo no Uruguai

Enoturismo no Uruguai: Fiz e amei. Confira as dicas!

Conhecendo as vinícolas do Uruguai: Pizzorno Family Estate

 

Comentários

comentários

Close