.
Espumantes Chandon
Espumantes Chandon

Participei esta semana de um jantar harmonizado no Inverso Restaurante Contemporâneo, que fica no hotel Blue Tree Jade, em Brasília. Para escoltar os pratos (maravilhosos, diga-se de passagem) preparados pelo chef Marcelo Petrarca foram servidos rótulos da Chandon: Chandon Reserve, Brut Rosé, Passion e Riche. Quem comandou o evento foi o francês François Hautekeur, enólogo oficial do grupo LVMH, que deu uma pequena aula prática de harmonização de espumantes para os convidados.

Degustação Chandon
François Hautekeur (à esq.), enólogo do grupo LVMH e o Chef Marcelo Petraca, proprietário do Inverso Restaurante
Harmonização Chandon e pratos do Inverso Restaurante
Harmonização Chandon e pratos do Inverso Restaurante

Logo no início foi servido o drink Chandon Fresh, elaborado com Chandon Rich demi-sec, fatias de laranja e pedras de gelo. Um drink super fresco, cítrico e aromático que escoltou muito bem o carpaccio de filet com brotos orgânicos e mel trufado, um prato leve e com toque doce. Sem dúvidas, um excelente exemplo de harmonização por afinidade.

Chandon Fresh com carpaccio de filet com brotos orgânicos e mel trufado

Em seguida, foi servido o Chandon Reserva Brut para acompanhar o Rigatoni ao creme de grana com Boursin de salmão e redução cítrica. Ao degustar, achei que a harmonização teria ficado melhor se o prato houvesse sido acompanhado pelo vinho anterior, o Rich, uma vez que a redução cítrica continha mel e acabou deixando o espumante brut um pouco amargo. O espumante demi-sec, por ser mais doce, teria ficado melhor.

Chandon Reserve Brut
Chandon Reserve Brut

Minha percepção acabou sendo confirmada pelo próprio François, que afirmou ter escolhido o espumante Brut por desconhecer que havia mel na redução cítrica. De toda forma, a falha acabou sendo bastante educativa pois os convidados puderam perceber como um pequeno detalhe pode fazer toda diferença no resultado final de uma harmonização.

Rigatoni ao creme de grana com Boursin de salmão e redução cítrica.
Rigatoni ao creme de grana com Boursin de salmão e redução cítrica.

Depois veio o Chandon Brut Rosé que, por incrível que pareça, casou super bem com o filet mignon grelhado com molho de pimenta e aligot de baroa, mostrando que é possível harmonizar uma carne com espumante, e não obrigatoriamente com vinhos.

Chandon Brut Rosé e filé mignon grelhado
Chandon Brut Rosé e filé mignon grelhado com molho de pimenta e aligot de baroa

Pra finalizar, o Chandon Passion acompanhou o delicioso mousse de chocolate com tartar de morango e paçoquinha caseira. O doce do Passion, que é um espumante bem intenso e fica muito melhor com duas predinhas de gelo, foi ao encontro do dulçor da sobremesa gerando um casamento perfeito. 🙂

Chandon Passion e mousse de chocolate
Chandon Passion e mousse de chocolate com tartar de morango e paçoquinha caseira

 

 

Comentários

comentários

Close