.

O Brasil chegou a 2020 com quase 30 milhões de vegetarianos, segundo dados do Ibope, sendo sete milhões veganos!! Este número duplicou nos últimos anos e a tendência é só crescer. O movimento, que ganhou até uma data internacional em 1º de novembro, reflete a mudança no comportamento de consumo das pessoas, sempre preocupadas com a saúde, o meio ambiente, os animais. E, claro, isso influencia no mundo dos enófilos que a cada dia mais procuram por vinhos veganos.

A Miolo Wine Group, atenta ao mercado consumidor, há alguns anos tem 100% de sua produção de vinhos e espumantes vegana, ou seja, isenta de agentes de origem animal. Isso é ótimo, né?

O selo vegano nos “vinhos veganos”

Com registro na mais antiga organização vegana do mundo, a Miolo exibe no contrarrótulo de seus produtos o Selo da The Vegan Society, reconhecida International Vegetarian Organization. Isto significa que todos os vinhos e espumantes são livres de componentes de origem animal utilizados de forma comum nos vinhos no mundo todo. Parece esquisito, mas muitas pessoas não sabem que a maioria dos vinhos no mundo possuem agentes de origem animal. O exemplo clássico é o uso da albumina (clara de ovo), caseína (proteína do leite) ou gelatina (origem bovina ou suína), utilizados para clarificação do vinho. Na Miolo, este processo é feito com agentes de origem mineral, garantindo o consumo seguro para quem opta pelo estilo de vida vegano.

Selo dos Vinhos Veganos

Além disso, a Miolo também faz os produtos livres de alergênicos, cumprindo a legislação brasileira, segundo a Anvisa (18 substâncias- veja abaixo). “Optamos pela elaboração de produtos com as tendências de consumo atuais, onde as pessoas procuram cada vez mais produtos livres de derivados de origem animal ou alergênicos, já que é crescente o número de pessoas com restrições alimentares” explica o enólogo Adriano Miolo, Diretor Superintendente da empresa.

Miolo Reserva Syrah – um dos vinhos veganos da Miolo

A estimativa do Ibope é de que o número de adeptos ao veganismo cresça cerca de 40% ao ano. É uma mudança irreversível intimamente ligada à qualidade de vida e para os mais novos é um caminho natural ligado à consciência social e ambiental. É importante falar sobre isso, né?

Close