.
Liana Sabo (Correio Brazilense), Sabrina Tedeschi (Vinícola Tedeschi), Etiene Carvalho (Blog Vinho Tinto) e Lu Barbo (CBN e Jornal de Brasília)

Participei da degustação de três vinhos da italiana Tedeschi, localizada em Valpolicella, região conhecida por produzir os famosos vinhos Amarone. O evento, que teve a presença da de Maria Sabrina Tedeschi, proprietária da vinícola, aconteceu no restaurante Authoral, em Brasília (302 Sul), e foi exclusivo para a imprensa enogastronômica da cidade.

Corasco 2016 -
Corasco Tedeschi 2016 – Corvina (70%) da própria Valpolicella, Raboso (5%), de Treviso e  Refosco (25%), de Aquilea

O primeiro vinho a ser degustado foi o Corasco Rosso Delle Venezie IGT 2016 – um corte de três uvas selecionadas na grande região de Veneza: a Corvina (70%) da própria Valpolicella, Raboso (5%), de Treviso e  Refosco (25%), de Aquilea. O vinho me agradou muitíssimo. É interessante porque é elaborado à maneira tradicional veronese com uvas parcialmente desidratadas durante um mês – concentrando açúcares, extrato seco e os compostos de cor das uvas, gerando densidade. No nariz, o Corasco mostra aromas de ervas, especiarias e frutas negras. Na boca tem boa estrutura tânica, acidez marcante e um bom corpo. É elegante e com uma longa persistência. Segundo Sabrina, o vinho é resultado de experimentos do irmão Riccardo Tedeschi que sonhava em produzir um vinho de qualidade não apenas com uvas de Valpolicella, mas de todo o Vêneto.

Capitel San Rocco Valpolicella 2016 é produzido por meio de uma técnica de vinificação conhecida como Ripasso
Capitel San Rocco Valpolicella Tedeschi 2016 é produzido por meio de uma técnica de vinificação conhecida como Ripasso

O segundo vinho apresentado foi o Capitel San Rocco Valpolicella 2016 – é produzido por meio de uma técnica de vinificação conhecida como Ripasso, que consiste em depositar uma parte do vinho Valpolicella feito de uvas frescas sobre cascas e borras do Amarone, após decantação. Sem dúvidas, um excelente vinho com aroma intenso de frutas negras maduras, alcaçuz, figo  e tabaco. Na boca é vivo, com boa acidez e álcool equilibrado, além de taninos elegantes. Tem longa persistência. É um vinho versátil e muito indicado para pratos típicos italianos, como massas com molhos vermelhos, pizzas, embutidos etc.

Amarone dela Valpolicella 2014
Amarone dela Valpolicella 2014

Por último, fomos degustar a estrela da vinícola o vinho Amarone della Valpolicella Tedeschi. Infelizmente, ao abrirmos a garrafa, reparamos que a rolha estava vazada, indicando que o vinho não estava bom por conta da falha no vedante. A Inovini, empresa responsável por trazer os vinhos da Tedeschi pro Brasil, gentilmente me enviou uma nova garrafa para que eu pudesse avaliar o vinho com calma em outra oportunidade.

O Amarone da família Tedeschi é produzido a partir de uvas colhidas exclusivamente em Valpolicella, mas de diferentes vinhedos. Segundo os produtores essa diversidade ligada à variedade de uvas (Corvina, Corvinone, Rondinella, Rossignola, Oseleta, Negrara e Dindarella) são elementos-chave para a obtenção de vinhos equilibrados.

Sem a menor sombra de dúvidas, trata-se de um excelente Amarone. O vinho tem aroma bem complexo mesclando frutas negras, especiarias, figo, alcaçuz e notas de violeta. Em boca mostrou-se intenso, com taninos marcantes, mas não agressivos e uma boa acidez. Sem a menor dúvida, um grande vinho.

Sobre a vinícola

Vinhedo Monte Olmi – um dos Crus da Tedeschi

A família Tedeschi possui quase quatro séculos de experiência na área do vinho, sempre na região de Valpolicella. A atual geração se dedica a interpretar a região de uma maneira mais moderna, adotando métodos de produção inovadores para a produção de vinhos de excelência sem deixar de lado o respeito à historio de Valpolicella. A família possui quatro crus (vinhedos) com terroirs excepcionais: La Fabriseria, Monte Olmi, Tenuta Manternigo e Lucchini.  A Tedeschi está situada no centro de Pedemonte di Valpolicella, no Vêneto.

Comentários

comentários

Close