Você sabe o que é “respiração do vinho”?

Vinho no decanter

Todo mundo já escutou por aí que não se deve consumir um vinho imediatamente após abri-lo. Mesmo que você não seja um especialista em enologia. A maior parte das pessoas que consomem vinho, sabem que antes de consumida é preciso expor a bebida ao ar, processo que se convencionou chamar de “respiração do vinho”.

Mas o que é esse processo e como ele atua em um vinho? Todos os vinhos precisam “respirar” antes de serem consumidos? Como fazer um vinho “respirar” de maneira adequada? 

Como funciona a “respiração do vinho”?

O que é a “respiração do vinho”?

O oxigênio tem um papel superimportante durante as etapas de produção, envelhecimento e armazenamento de vinhos. O contato desse elemento com a bebida provoca reações químicas capazes de alterar seus aromas, sabores e texturas.

E se engana quem pensa que a relação do vinho com o oxigênio acaba com o engarrafamento da bebida. Quando uma garrafa é aberta e o vinho entra em contato com o ar, reações de oxidação ocorrem. Essa oxidação, também chamada de respiração do vinho, é capaz de alterar suas características.

Vinhos recém abertos precisam “respirar”

Como um vinho “respira”?

Quando o oxigênio entra em contato com um vinho recém-aberto, duas coisas ocorrem: a evaporação do álcool contido na bebida (geralmente em quantidades insignificantes) e reações de oxidação (interação entre os elementos contidos no vinho e o oxigênio).

Os processos de oxidação são capazes de liberar compostos aromáticos voláteis, alterando o sabor e o aroma do vinho. O tempo que essas reações levam para ocorrer varia de vinho para vinho. Em bebidas jovens, por exemplo, o processo de respiração dura entre 20 e 30 minutos.

Maneira correta de consumir um vinho

Todos os vinhos devem “respirar” antes de serem consumidos?

Apesar de toda a pompa e circunstância que a respiração de um vinho envolve, saiba que não são todos os tipos que melhoram com esse processo. É possível, inclusive, “matar” um vinho ao deixá-lo respirar.

O processo de respiração é recomendado para vinhos jovens, encorpados e que possuem altos níveis de taninos. Nesses casos, o processo de respiração suaviza os taninos e permite que os demais sabores e aromas da bebida possam expressar-se com mais propriedade.

Por outro lado, vinhos antigos, envelhecidos por décadas, têm uma estrutura mais frágil e fazê-los respirar, mesmo que seja por alguns minutos, pode pôr tudo a perder. Da mesma forma, a respiração de vinhos leves e de sabor delicado, como brancos, rosés ou espumantes, não é indicada. Isso porque a introdução de oxigênio nesse tipo de vinho pode dissipar exageradamente os já suaves sabores, além de reduzir a carbonatação dos espumantes.

Servindo um vinho da maneira correta

Existem ferramentas que auxiliam esse processo?

É essencial ter em mente que para fazer um vinho respirar não basta abrir a garrafa. O montante de oxigênio capaz de entrar pela abertura é mínimo. E como ela está cheia, uma quantidade ínfima de líquido entrará em contato com o ar.

Assim, para realmente fazer com que um vinho “respire”, o melhor é colocá-lo em uma taça. Quanto maior a quantidade de líquido que entra em contato com o ar, melhor.

Leia: Vinhos da Safra 2021 são os mais degustados de todos os tempos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.